sobre projetos, esboços e rascunhos

estive ponderando um tempo a respeito de projetos pessoais. é claro que o tempo que a minha empresa demanda de mim é bem grande e, não satisfeito com o trabalho no escritório, sempre sobra o famoso chorinho para casa. não é uma reclamação - longe disso, amo o meu trabalho, minha empresa, o ideal dela e tudo o mais (vocês também, povo lindo que trabalha comigo) - só que, às vezes, a vontade de mudar um pouco o foco é maior que todo esse amor. não vou negar que sempre fui uma pessoa meio indecisa quanto às minhas reais intenções com a vida, já que saí do ensino médio querendo ser escritor e terminei num curso de TI, então a miríade de coisas que me interessam sempre foi bem ampla (até demais, admito!). adicione a isso o fato de que sou naturalmente desorganizado e BUM, você tem a receita ideal para a iminente catástrofe de projetos.

uma coisa boa que consegui levar dessa dança com ideias (e vontades) foram grandes métodos de solução de problemas e poderosas ferramentas que acabei coletando com o tempo. é claro que foram achados um pouco aleatórios, baseados em recomendações de amigos, leituras de fóruns e pesquisas do tipo "editing tool for writers open source" mas que, no fim, culminaram em algumas ferramentas que fazem parte da minha vida até hoje. não pretendo ser um guia neste sentido, até porque não existe a ferramenta ou a metodologia perfeita, mas acho que um fikdik é sempre interessante. além disso, para quem tá perdido, um começo é sempre negócio. também vou tentar não me aprofundar muito nos aspectos de cada ferramenta, até porque pretendo usá-las em posts futuros (preciso de material né benhê, risos) e, uma metodologia em especial será tema de muitos outros posts, porque ela é minha queridinha. é, sou desses.

bom, para resumir a ópera, o que eu vou fazer é elencar algumas dessas ferramentas nos próximos posts, tentando fazer um apanhado meio geral do que são, onde vivem, o que comem e mostrar como podem ser usadas em conjunto para fazer coisas legais. mais uma vez, repito: não sou um expert no assunto (até porque um "expert em ferramentas a se usar para fazer projetos pessoais paralelos ao seu trabalho" deve ser um cargo bem pouco concorrido, né?) então se você não virar a próxima Jane Austen ou o próximo Francis Ford Coppola, sinto em informar que nem eu nem o papa nem minha mãe nem os orixás vão aceitar o pedido de troca. 1 beijo na alma.